Presentation is loading. Please wait.

Presentation is loading. Please wait.

44ª ASSEMBLEIA NACIONAL DA ASSEMAE LIMITES À UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO AOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM LOCALIDADES RURAIS NA BAHIA Aldair.

Similar presentations


Presentation on theme: "44ª ASSEMBLEIA NACIONAL DA ASSEMAE LIMITES À UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO AOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM LOCALIDADES RURAIS NA BAHIA Aldair."— Presentation transcript:

1 44ª ASSEMBLEIA NACIONAL DA ASSEMAE LIMITES À UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO AOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM LOCALIDADES RURAIS NA BAHIA Aldair Dias Sampaio, MSc, Eng o. Sanitarista e Ambiental da EMBASA Luiz Roberto Santos Moraes, PhD, Professor Titular do MAASA/UFBA Uberlândia, 06/05/ XVIII Exposição de Experiências Municipais em Saneamento De 04 a 09 de maio de 2014 – Uberlândia - MG

2 INTRODUÇÃO 2 1ª década do Século XXI: investimentos, reestruturação e estabelecimento de marco legal. Leis n o /07 e n o /08 - Novidades: Definição e gestão - Carências: Localidades rurais O maior déficit de acesso aos serviços públicos de saneamento básico é nas localidades rurais. Apesar dos avanços, a universalização em localidades rurais segue como um grande desafio.

3 OBJETIVO 3 Apresentar algumas limitações, do ponto de vista político e institucional, à universalização do acesso aos serviços públicos de abastecimento de água em localidades rurais do Estado da Bahia, a partir de quatro diferentes tipos de prestadores desse serviço.

4 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O Estado capitalista tem de desempenhar duas funções básicas e contraditórias: acumulação e legitimação. O Estado realiza despesas sociais para legitimar o consenso e garantir o lucro do capital (O´CONOOR, 1977). O Estado implanta sistemas nacionais de seguridade social com o intuito também de reduzir a ameaça ao regime capitalista (BEHRING, 2002). 4

5 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A própria ligação do Estado com as forças do mercado viabiliza um possível processo de privatização. E a partir de um discurso de que está ocorrendo escassez de água doce, tenta-se legitimar a mercantilização (SWYNGEDOUW, 2004). Posição com pouca sustentação empírica, visto que, em países desenvolvidos, a universalização do acesso aos serviços públicos de saneamento básico somente foi possível graças à forte atuação do setor público (CASTRO, 2007),. 5

6 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O êxito das políticas públicas depende da existência de instituições estáveis e consolidadas, conclusão trazida por uma vertente da pesquisa que se dedica aos aspectos do “como” da política, considerando fatores culturais, padrões de comportamento político, incluindo as atitudes dos atores políticos, que também interferem na qualidade dos programas e projetos políticos (FREY, 2000). Há padrões de comportamentos que são peculiares de cada ator, de associações, partidos ou atores corporativos, e outros que transcendem as ações individuais, chamados de padrões de comportamento político como o clientelismo, patrimonialismo, paternalismo e a corrupção. 6

7 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A definição de rural, que sofre influência da tradição patrimonialista e clientelista do Estado brasileiro, compromete a incorporação dessas localidades nas políticas públicas. A expansão da área urbana sobre a rural ocorre em algumas situações para atender a interesses particulares e outras vezes para aumentar a arrecadação fiscal do município (IPTU – urbano, ITR – rural). 7

8 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 8 Tipos de prestação dos serviços públicos de saneamento básico predominantes: ● Por administração direta ● Por autarquia municipal ● Consórcio público ● Por companhias estaduais ● Por associação comunitária ou ONG ● Por empresa privada

9 METODOLOGIA 9 Descrição do método: 1.Levantamento e leitura de material bibliográfico. 2.Observação participante (complemento às entrevistas). 3.Acesso a banco de dados e sistemas de informação IBGE (Censo demográfico, PNAD, PNSB), o SNIS, o Ministério das Cidades e o sistema de informação Siga Brasil do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). 4.Pesquisa e análise documental. 5.Entrevista semiestruturada.

10 METODOLOGIA ● - Tipos de prestadores selecionados - municípios: Administração direta – Novo Horizonte Autarquia municipal (SAAE) - Macaúbas Associação comunitária - Seabra Companhia Estadual de Água e Esgoto (EMBASA) – Souto Soares 10

11 LOCALIZAÇÃO 11 Fonte: Adaptado de INEMA-GEOBAHIA (2013). Figura 1 - Mapa do Estado da Bahia com indicação dos municípios

12 RESULTADOS E DISCUSSÃO 12 Fonte: IBGE, Figura 01: População por situação de domicílios, segundo as macrorregiões – ,6% da população brasileira reside em localidades rurais, ou seja, cerca de 30 milhões de pessoas, sendo as macrorregiões nordeste e norte as mais rurais.

13 RESULTADOS E DISCUSSÃO 13 Fonte: IBGE, Figura 02: População por situação de domicílios segundo os estados do Nordeste – 2010

14 RESULTADOS E DISCUSSÃO 14 Fonte: IBGE, Figura 03: Percentual de formas de abastecimento de água por domicílios na área urbana e rural no Brasil – 2010 Há uma evidente discrepância a entre o nível de atendimento da população rural e urbana no Brasil com serviço público de abastecimento de água.

15 RESULTADOS E DISCUSSÃO A característica clientelista do Estado brasileiro foi observada na fala de um dos gestores municipal entrevistado. Ao ser questionado sobre como o período eleitoral influencia nos serviços públicos de água e esgoto nas localidades rurais, relatou: Aumenta a demanda porque como é em campanha você sabe que o pessoal da zona rural sempre procura mais o candidato, então aumenta a demanda... é mais carro pipa... é mais... sempre mais atenção né, é um período mais crítico que a gente tem que tá sempre dando mais atenção (Gestor do município de Souto Soares - BA, 2012). 15

16 RESULTADOS E DISCUSSÃO 16 Tipo de Prestador Estrutura da prestação do serviço em localidades rurais do município Instrumento de delegação CESBSecretaria de Agricultura e Recursos HídricosContrato de Concessão SAAESecretaria de ObrasDecreto Municipal* Secretaria municipalSecretaria de Administração e Serviços UrbanosNão se aplica CentralSecretaria de Agricultura e de ObrasNão possui Quadro 1 - Instituição responsável pelos serviços públicos de abastecimento de água na sede e em localidades rurais dos municípios e instrumento de delegação A falta ou deficiência de um arcabouço institucional consistente nos municípios contribui para a vulnerabilidade e descontinuidade do serviço.

17 RESULTADOS E DISCUSSÃO 17 É um Programa que não tem seus recursos plenamente assegurados, trabalhamos em parceria com o governo federal, isso obriga que direcionemos (os recursos) para áreas específicas, como por exemplo, territórios que estão sendo beneficiados pelo programa federal Brasil sem Miséria, e o Semiárido porque ainda é nossa área mais carente (Representante da SAN/SEDUR, 2012). Com relação à política de saneamento básico na Bahia, foi observado que não está assegurado, objetivamente, em lei o atendimento às localidades rurais com esses serviços. O que existe são alguns programas de governo, sendo o de maior destaque o Programa Água para Todos que, segundo o representante da Superintendência de Saneamento da Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (SAN/SEDUR):

18 RESULTADOS E DISCUSSÃO 18 No âmbito do saneamento básico, sobretudo do abastecimento de água das localidades rurais, o serviço é utilizado como uma doação do prefeito à população, e algumas vezes como moeda de troca para obtenção de apoio político, fruto da cultura patrimonialista e clientelista existente no Brasil. Observou-se que o investimento em políticas sociais e de saneamento básico em particular, é condicionado à lucratividade do capital. Raciocínio que pode justificar o fato de não haver empresas interessadas em prestar serviços públicos de saneamento básico em localidades rurais, onde, geralmente, a capacidade de pagamento da população é menor.

19 CONCLUSÃO 19 Pode-se inferir que o acesso universal ao serviço público de abastecimento de água em localidades rurais sofre influência direta de aspectos políticos e institucionais, sem negar a influência de diversos outros fatores e condições, que também não estão sendo devidamente atendidos. Logo, o princípio fundamental da universalização do acesso ao serviço público de abastecimento de água está distante de ser cumprido.

20 CONCLUSÃO 20 O trato do bem público como se privado fosse, e do cidadão como um cliente, que paga o serviço com apoio político, compromete a garantia do atendimento da população com os serviços públicos de qualidade. Isso é resultado dos resquícios das características patrimonialista e clientelista ainda guardadas pelo Estado brasileiro.

21 CONCLUSÃO 21 Há diversos outros aspectos que influenciam a universalização do acesso aos serviços públicos de saneamento básico e que não foram abordados com a devida profundidade neste estudo. Recomenda-se que novos estudos sejam realizados com relação à influência das instituições financeiras internacionais e nacionais e de fatores socioculturais e legais.

22 Muito obrigado! 22 XVIII Exposição de Experiências Municipais em Saneamento De 04 a 09 de maio de 2014 – Uberlândia - MG


Download ppt "44ª ASSEMBLEIA NACIONAL DA ASSEMAE LIMITES À UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO AOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM LOCALIDADES RURAIS NA BAHIA Aldair."

Similar presentations


Ads by Google