Presentation is loading. Please wait.

Presentation is loading. Please wait.

CONTEMPORANEIDADE 1 UM DISCURSO SOBRE AS CIÊNCIAS Santos, Boaventura de Sousa (1995)

Similar presentations


Presentation on theme: "CONTEMPORANEIDADE 1 UM DISCURSO SOBRE AS CIÊNCIAS Santos, Boaventura de Sousa (1995)"— Presentation transcript:

1 CONTEMPORANEIDADE 1 UM DISCURSO SOBRE AS CIÊNCIAS Santos, Boaventura de Sousa (1995)

2 A modernidade e seus nomes A situação presente das CIÊNCIAS Ambiguidades Passado Futuro 1. Os séc. XVI ao XVIII são a pré-história do que hoje somos; 2. Os séc. XVIII e XIX são o campo teórico em que hoje ainda nos movemos: O século XX não começou; 4. O séc. XXI, uma sociedade tecnológica, de comunicação e interatividade total; 4. O séc. XXI já terminou antes de começar: a catástrofe nuclear e ecológica são o presente. Uma mentalidade, Uma sensibilidade, Uma atitude, As contradições, O transitório, As revoluções, Os conflitos.

3 Como enfrentar períodos de transição e ambiguidades impactantes? Metáforas, autores, ideias, conceitos Enfrentando as Ambiguidades Presente Passado Futuro As crianças em Galileu (Brecht, Galileu Gallilei. São Paulo: Ed. Abril Cultural, 1980). As Revoluções científicas. (Copérnico, Galileu e Newton) As crianças em Rousseau (1750), as Revoluções sociais, materiais e políticas do século 1790 – XVIII e XIX (Adam Smith e Ricardo/ Lavoisier e Darwin/Marx e Durkheim – Weber e Pareto/ Humboldt e Planck/Poincaré e Einstein) Voltar às coisas simples ou Formular perguntas simples.

4 Como enfrentar períodos de transição e ambiguidades impactantes? Metáforas, autores, ideias, conceitos Enfrentando as Ambiguidades Presente Passado Futuro Revolução científica do século XVI. Copérnico ( 1543), influenciado por Aristarco de Samus, sec. III a.C., Heliocentrismo) Ilustração do modelo Heliocêntrico do Universo de acordo com Copérnico, Revolução das Orbitas Celestes Voltar às coisas simples ou Formular perguntas simples.

5 Como enfrentar períodos de transição e ambiguidades impactantes? Metáforas, autores, ideias, conceitos Enfrentando as Ambiguidades Presente Passado Futuro Revolução científica do século XVI - XVII. Kepler, As Harmonias do Mundo (1619), demonstração do cálculo das órbitas de Vênus, Marte, Júpiter e Saturno) lustração do livro As Harmonias do Mundo Voltar às coisas simples ou Formular perguntas simples.

6 Como enfrentar períodos de transição e ambiguidades impactantes? Metáforas, autores, ideias, conceitos Enfrentando as Ambiguidades Presente Passado Futuro Revolução Científica século XVII. Galileu Tratado Mechanica (1634, Paris) 1613 – História das Manchas Solares (Rotação Sol) 1630 – Diálogo dos Dois Sistemas do Mundo (Julgado e condenado 1633) 1638 – Discurso das duas novas ciências, Mecânica e Dinâmica (Holanda) lustração do livro Diálogo Voltar às coisas simples ou Formular perguntas simples.

7 Como enfrentar períodos de transição e ambiguidades impactantes? Metáforas, autores, ideias, conceitos Enfrentando as Ambiguidades Presente Passado Futuro Revolução Científica século XVII. Newton “Suas investigações experimentais, acompanhadas de rigorosa descrição matemática, constituíram-se modelo de uma metodologia de investigação para as ciências nos séculos seguintes” os Princípia Voltar às coisas simples ou Formular perguntas simples.

8 Fim do séc. XX e começo do XXI Conceitos, noções científicas... Na modernidade científica a filosofia começou a se tornar epistemologia Do grego episteme = ciência, quer dizer Teoria do Conhecimento Científico A modernidade científica Descartes (séc. XVII) Discurso sobre o Método (1637) (dúvida Metódica) Pensamento lógico Do grego Logos = palavra, pensamento Aristóteles 350 a.C. “discursos em que, dadas algumas coisas, outras derivam necessariamente! Perdemos a confiança Epistemológica. O que é isto?

9 Fim do séc. XX e começo do XXI Conceitos, noções científicas... A principal consequência da ciência moderna é a separação entre Ciência, Filosofia e Artes Filosofia Grego philia (amor, amizade) + sophia (sabedoria) = “amor pelo saber” A filosofia envolve, então nossa capacidade de sentir, de emocionar, de sermos tomados pelos afetos. Entre os séc. V-IV a.C., o termo sophia designava um tipo de saber ligado a vida prática, como o artesanato e o comportamento ético. A partir do séc. III d.C., o termo ganhou o aspecto mais teórico, ligado à atividade intelectual e abstrata. Perdemos a confiança Epistemológica. O que é isto?

10 Como enfrentar períodos de transição e ambiguidades impactantes? Metáforas, autores, ideias, conceitos Enfrentando as Ambiguidades Presente Tarefas para o Presente -Relações entre ciência e virtude (ética); -Valor do conhecimento dito ordinário, vulgar, prático, comum (a sophia grega séc. III a.C.); -Qual a contribuição positiva E negativa do conhecimento científico acumulado para os diferentes povos, indivíduos.... O que caracteriza uma pergunta simples? “Aquela que atinge o magma mais profundo de nossa perplexidade” Boaventura, 1985.

11 A crise do Paradigma Dominante Metáforas, autores, ideias, conceitos Enfrentando as Ambiguidades Presente Tarefas para o Presente -Relações entre ciência e virtude (ética); -Valor do conhecimento dito ordinário, vulgar, prático,comum (a sophia grega séc. III a.C.); -Qual a contribuição positiva E negativa do conhecimento científico acumulado para os diferentes povos, indivíduos.... O que caracteriza uma pergunta simples? “Aquela que atinge o magma mais profundo de nossa perplexidade” Boaventura, 1985.

12 O Paradigma Emergente 1ª Físico Social Durkheim (p.42) “os fenômenos sociais devem ser estuados como se fossem fenômenos naturais” As Ciências Naturais são a aplicação de um conhecimento universalmente válido, o único válido. Fatos/fenômenos sociais são coisas, Objetos Deve-se, então, fazer com que os fatos sociais tenham condições de Observação, Medição, de matematização, enfim. Para cumprir esta exigência retira-se o CONTEXTO. Interrogam Vertentes do Paradigma Dominante nas Ciências Sociais

13 O Paradigma Emergente 2ª Subjetivista Esta vertente reivindica para as Ciências Sociais um estatuto METODOLÓGICO próprio. C.N. C.S. Objetivo Intersubjetivo Explicativo Descritivo Nomotético Compreensivo Limites: Fixam-se em binarismos Natureza/Ser Mecanicismo/Singularidade Natureza Cultura Humano/Animal Para cumprir esta exigência faz da ação humana uma experiência radicalmente SUBJETIVA. Tradições teóricas Ver pg. 42. Interrogam Vertentes do Paradigma Dominante nas Ciências Sociais

14 O Paradigma Emergente 1ª Todo conhecimento científico é natural e social; 2ª Todo conhecimento é local e social; 3ª Todo conhecimento é auto conhecimento/auto biográfico; 4ª Todo conhecimento científico deve converter-se em senso comum. Em 4 TESES

15 O Paradigma Emergente Característica: Dá-se o deslocamento sujeito epistêmico para o sujeito empírico. Argumento principal: Os pressupostos, os sistemas de crenças, os juízos de valor não estão nem antes, nem depois da explicação científica na Natureza ou da Sociedade. Um bom exemplo: Antropologia A grande distância empírica sujeito – objeto é anulada. Indígenas/Aborígenes Pesquisador europeu Inventa-se a aproximação Trabalho de campo, etnografia, observação participante Europeus estudado por Pesquisador europeu Força-se uma separação Questionários de profundidade, entrevista estruturada, analise de documentos... 3ª Todo conhecimento é auto conhecimento/auto biográfico (ver p.53) Descartes.

16 O Paradigma Emergente Característica: deixa os DUALISMOS Natureza Cultura Natural/ Artificial Vivo/Inanimado Mente/Material Observador/Observado Subjetivo/Objetivo Coletivo/Individual Animal/Pessoa Argumento principal: As C.N. aproximam- se das C.S. por meio da incorporação de alguns conceitos, noções e teorias da C.S. 1ª Todo conhecimento científico é natural e social;

17 O Paradigma Emergente Característica: Dissolução das fronteiras disciplinares. Feyerabend Epistemologia ou Polítca? Sartre Filosofia ou Crítica literária? Castañeda Antropologia ou Literatura? Foucault Filosofia, Sociologia, Psicologia, Ciência Política, História ou Antropologia? Argumento principal: O conhecimento avança a medida que o objeto se amplia e não por especialização. Exemplo: o conhecimento Arborescente procede por diferenciação das funções e alastramento das raízes em busca de novas e variadas interfaces. P ª Todo conhecimento é local e social;

18 O Paradigma Emergente Característica: Dá-se o deslocamento sujeito epistêmico para o sujeito empírico. Argumento principal: Os pressupostos, os sistemas de crenças, os juízos de valor não estão nem antes, nem depois da explicação científica na Natureza ou da Sociedade. Um bom exemplo: Antropologia A grande distância empírica sujeito – objeto é anulada. Indígenas/Aborígenes Pesquisador europeu Inventa-se a aproximação Trabalho de campo, etnografia, observação participante Europeus estudado por Pesquisador europeu Força-se uma separação Questionários de profundidade, entrevista estruturada, analise de documentos... 3ª Todo conhecimento é auto conhecimento/auto biográfico (ver p.53) Descartes.

19 O Paradigma Emergente Característica: O conhecimento mais ligado a ensinar a viver. Todo conhecimento visa constituir-se em Senso Comum/Conhecimento Prático/Empiricidades da Vida. Isto implica em aceitar a instabilidade e a incerteza de todo o conhecimento produzido. Argumento principal: Ruptura Epistemológica. Aprofunda-se a discussão da produção do conhecimento com as humanidades. Estudos históricos, Jurídicos, Filosóficos, Literários, Linguisticos, etc... 4ª Todo conhecimento científico deve converter-se em senso comum.


Download ppt "CONTEMPORANEIDADE 1 UM DISCURSO SOBRE AS CIÊNCIAS Santos, Boaventura de Sousa (1995)"

Similar presentations


Ads by Google